Vacine-se contra a gripe

A influenza, ou gripe, como é comumente chamada, é uma infecção viral que afeta especialmente as vias aéreas e o pulmão, a qual debilita o sistema imunológico da pessoa, deixando mais susceptível a outras infecções virais bacterianas.

Está entre as viroses mais frequentes em todo o mundo e costuma causar complicações principalmente em crianças pequenas, idosos, gestantes e pessoas com comprometimento da saúde (portadores de doença respiratória ou cardíaca, obesidade, diabetes, trissomias, deficiência da imunidade, entre outras). É prevenível por vacina, reduzindo ainda as complicações que podem produzir casos graves da doença, internações e óbitos. A vacina contra gripe é segura e inativada, portanto, não tem como causar a doença.

“A vacina é segura e de grande importância, pois a gripe debilita o sistema imunológico da pessoa, deixando mais susceptível a infecções virais e bacterianas. E a revacinação anual é fundamental, pois a proteção conferida pela vacina cai progressivamente 6 meses após a aplicação”, afirma a médica pediatra do Hospital de Cubatão, Ana Cristina Martínez de Carvalho.

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza, promovida pelo Ministério da Saúde, começou na quarta-feira (10) em todo o país. Vale ressaltar que se concentra neste período do ano porque a queda das temperaturas no outono e no inverno tende a aumentar as aglomerações de pessoas em lugares fechados e sem ventilação. São maiores também os riscos de se pegar a doença, pois a contaminação ocorre principalmente por meio do contato com outras pessoas doentes.

A vacina produzida para 2019 teve mudança em duas das três cepas que compõem o imunobiológico, e protege contra os três subtipos do vírus da gripe que mais circularam no último ano no Hemisfério Sul, de acordo com determinação da OMS: A/Michigan/45/2015 (H1N1) pdm09; A/Switzerland/8060/2017 (H3N2); B/Colorado/06/2017 (linhagem B/Victoria/2/87).

Segundo dados do Ministério da Saúde, neste ano, até 23 de março, foram registrados 255 casos de influenza em todo o país, com 55 óbitos. Até o momento, o subtipo predominante no país é influenza A H1N1, com 162 casos e 41 óbitos. 

Campanha em Cubatão

Em Cubatão, as vacinas são disponibilizadas gratuitamente nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) do município, e a meta é vacinar, até 31 de maio, cerca de 36 mil pessoas dos grupos prioritários, entre os quais, crianças de 6 meses e até seis anos de idade, gestantes e puérperas, idosos, trabalhadores da Saúde, professores e pacientes com comorbidades.


Confira o endereço, horário de funcionamento e contatos das unidades com sala de vacina no link http://www.cubatao.sp.gov.br/secretaria/15-secretaria-de-saude/214-vacinacao-informacoes-gerais/.

Além dessas unidades, Cubatão contará com dois postos itinerantes durante o período de campanha: às terças-feiras no Caic e Vila Natal e às quintas-feiras na Água Fria e CSU. É importante levar a carteira e vacinação.

O Dia D

O Dia D, em que a vacinação se intensifica e há uma grande mobilização nacional, está marcado para 4 de maio, um sábado. Em Cubatão, com a participação de todas as unidades de saúde com sala de vacina, de postos volantes que circularão entre a Pastoral da Criança e Mantiqueira e mais um posto fixo Parque Anilinas. Além disso, haverá a atuação também do Programa de Atendimento Domiciliar (PAD).

Cuidados:

  • Em casos de febre deve-se adiar a vacinação até que ocorra a melhora;
  • Pessoas com alergia grave ao ovo, com sinais de anafilaxia, devem receber a dose em ambiente com condições de atendimento a reações;
  • Compressas frias aliviam a reação no local da aplicação;
  • Qualquer sintoma grave após a vacinação deve ser notificado ao serviço que a realizou;
  • Manifestações locais como dor, vermelhidão e endurecimento ocorrem em 20% dos vacinados, e desaparecem em 48horas;
  • Febre, mal estar e dor muscular ocorre em 1% dos casos.